(86) 3194-5100

“As pessoas resistem à ideia, mas a vida é só química”, diz vencedor do Nobel

Ganhador do Nobel e filho de outro laureado, Roger Kornberg sugere que a ciência torna desnecessárias as explicações religiosas.

Tamanho da letra:
A
A
Publicado em: 19 de julho de 2019

Em agosto de 1946, Roger Kornberg ainda era uma única célula, formada pela união de um óvulo de sua mãe, a bioquímica Ruth Levy Sylvy, e de um espermatozoide do pai, o também bioquímico Arthur Kornberg. Essa célula já possuía o código hereditário necessário para formar um Roger com braços e pernas e mantê-lo vivo desde que nasceu, há 72 anos, em Saint Louis (EUA), até hoje, uma tarde ensolarada em um café em Valência. O pai, Arthur, ganhou o Nobel de Medicina em 1959 por esclarecer os mecanismos de formação desse manual de instruções da célula, o DNA. Quase meio século depois, o próprio Roger também ganhou o Nobel, desta vez o de Química, por dar um passo além do pai.

Aquela célula de 1946 que acabaria sendo Kornberg tinha dois metros de DNA dobrados em seu minúsculo núcleo, como quase qualquer célula de qualquer pessoa. Graças a um processo chamado transcrição, as células copiam essas instruções escritas em seu DNA e as escrevem em outro idioma, o das moléculas de RNA, que são capazes de sair o núcleo da célula. Lá fora, a festa começa. Essas palavras de RNA comandam a fabricação das proteínas, as verdadeiras protagonistas da vida, como a hemoglobina do sangue que nos permite respirar e o colágeno que constrói ossos, tendões, dentes e até o branco dos olhos.

“A vida é química, nada mais e nada menos”, repete uma e outra vez Kornberg, de passagem por Valência para participar do júri dos Prêmios Rei Jaime I. O pesquisador da Universidade Stanford recebeu o Nobel de Química em 2006 por desvendar essa conversão do DNA em RNA, um processo que, se corre mal, pode levar ao câncer. Apesar de ter despontado no mundo das aberrações humanas, ou precisamente por causa disso, Kornberg é muito otimista: acredita que chegaremos a viver num mundo sem doenças.

Pergunta. Conhecer nossa base química tem um aspecto filosófico.

Resposta. Sim, esse é o cerne da questão. A vida é química: nada mais e nada menos. O funcionamento do cérebro é tão pouco compreendido que se tende a associá-lo a significados mágicos ou místicos. Mas quimicamente o cérebro é uma coleção de fios e interruptores. Todos os cérebros humanos são mais ou menos iguais e as pequenas diferenças são resultado de diferentes padrões nos interruptores, baseados em uma combinação da nossa genética e das nossas experiências. Mas, no final, é química, nada mais e nada menos, embora as pessoas resistam à ideia. Muitas pessoas querem associar às suas próprias experiências algum significado especial, como a religião. Mas é química.

P. O senhor fala de “máquinas” moleculares minúsculas que transformam as instruções do DNA em RNA. Essa maquininha pode cometer erros que levam à morte. Podemos morrer simplesmente por acaso?

R. Tudo –desde a forma do nosso corpo aos detalhes do nosso funcionamento– é consequência da informação genética. Mas descobrir como é exatamente esse processo ainda é um grande desafio. Nós entendemos o primeiro nível. Sabemos que a informação em nossos genes é copiada para outra molécula chamada RNA, que então comanda a síntese de proteínas. E as proteínas fazem tudo. A ideia essencial é que a informação nos genes é a base de tudo o que há para saber sobre nós. É verdade que pode haver modificações pela experiência, mas tudo começa com a informação que existe nos nossos genes. Cada célula do corpo contém as mesmas instruções genéticas, todo o DNA, mas, no entanto, temos 200 tipos diferentes de células: nervosas, do fígado, do músculo, do sangue, da pele. A diferença entre elas são os genes usados em cada tecido. E essa decisão é tomada na hora de copiar as informações do DNA para o RNA. Se um erro for cometido, se o gene errado for ativado em um tecido no qual deveria ser silenciado, com muita frequência se produz um câncer. Uma mudança em apenas uma das milhares de letras de um gene pode causar uma doença.

P. É uma loteria?

R. É uma loteria no sentido de que as informações em nossos genes, que herdamos dos nossos pais, devem ser copiadas com absoluta precisão. Uma mudança em uma letra entre milhões de letras pode ser fatal ou pode causar uma suscetibilidade a uma doença. A química da vida é extraordinária em muitos aspectos. Nosso DNA sofre mutações devido à radiação cósmica, ao oxigênio, à luz solar e às substâncias químicas de todo tipo, especialmente dos alimentos. Sofremos dois trilhões de danos todos os dias. E todos devem ser corrigidos, porque apenas um deles poderia causar câncer ou outra doença. Esta é outra característica extraordinária da nossa fisiologia e da nossa química: a capacidade de reparar todos esses danos sem erros todos os dias. É assombroso.

P. Uma de suas palestras é intitulada O Fim da Doença. O senhor imagina um futuro sem doenças?

R. Claro, porque a vida é química. Quando entendemos as bases químicas das doenças, podemos criar automaticamente estratégias químicas para corrigi-las. Não há dúvida de que isso pode ser aplicado a doenças hereditárias e ao envelhecimento. Obviamente, quando aprendermos a prevenir o envelhecimento, criaremos novos problemas para a sociedade. Mas a resposta à pergunta é sim. O fato essencial é que tudo na vida é química e todas as doenças refletem uma distorção da química. Encontraremos meios químicos para corrigi-las. Isso não acontecerá em breve, e talvez não aconteça durante a nossa vida, mas algum dia acontecerá.

P. Quase todas as suas pesquisas foram financiadas pelos institutos nacionais de saúde dos EUA. O que pensa do papel das grandes empresas farmacêuticas?

R. É um erro pensar que as farmacêuticas podem substituir a pesquisa com recursos públicos. Nossa pesquisa é básica, no sentido de que é movida pela curiosidade sobre a natureza, sem saber aonde vai te levar. Uma descoberta, por definição, não pode ser prevista. Você nunca descobre algo intencionalmente. Você descobre coisas tentando entender a natureza. E essas descobertas são a única base para o avanço da medicina. O que distingue a iniciativa acadêmica da indústria farmacêutica é que a primeira não está voltada para certos objetivos. Essa é a essência da pesquisa acadêmica. As empresas farmacêuticas, por outro lado, não podem justificar um investimento em algo que não tenha um fim óbvio. Uma empresa não pode investir dinheiro para fazer algo que talvez nunca tenha um benefício. É impossível.

P. E os acadêmicos?

R. Os acadêmicos se arriscam, tentam fazer coisas que podem levar a algo ou não. E você aposta, porque se não chega a nada pode perder sua posição acadêmica. As farmacêuticas são alérgicas ao risco por natureza. Os negócios evitam os riscos. Outra diferença é a escala de tempo. Você não sabe quanto tempo vai precisar. Muitas pesquisas exigem décadas. Eu nunca fiz nada em menos de 20 anos. E, cada vez mais, infelizmente, os gestores das farmacêuticas têm de informar seus lucros a cada três meses. Que CEO dirá ao seu conselho de administração que a empresa fez um grande investimento em pesquisa que pode não levar a nada e que exigirá 20 anos? E, ao mesmo tempo, sem esse tipo de pesquisa, as empresas farmacêuticas não têm nada. Minha mensagem fundamental é que o Governo, em nome dos cidadãos, tem de apoiar as pesquisas que envolvam riscos e possam exigir muito tempo. Basicamente, essa é a única solução para problemas como infecções, doenças genéticas e câncer.


Pergunta. O senhor disse em várias ocasiões que se uma pessoa culta precisa saber algo, esse algo é a química.

Resposta. A química é o mais útil porque nos ajuda a entender o mundo ao nosso redor: o corpo humano e tudo o que está relacionado à saúde e ao meio ambiente. A química está na intersecção entre a física, que são as leis da natureza, e a biologia, que é a sua manifestação. Sem conhecer a química você não pode tomar decisões informadas sobre sua saúde, sobre o meio ambiente... É ridículo.

P. Mas se valoriza mais saber sobre Cervantes ou Shakespeare do que sobre Dmitri Mendeleiev, o pai da tabela periódica dos elementos químicos.

R. É curioso, porque você não pode saber nada sobre Cervantes ou Shakespeare e ter uma vida muito produtiva. Mas se você não souber nada sobre química, em minha opinião, você não se beneficia de tudo o que foi alcançado pela civilização. Os tempos mudaram e a química é a primeira coisa. Há 100 anos se sabia tão pouco sobre qualquer ciência que você não precisava saber muito de física para ser uma pessoa culta e bem-sucedida. Importava o que você sabia de termodinâmica ou cosmologia? Realmente não. Mas no século XX surgiram a química, a biologia, a bioquímica, a medicina moderna. Há pouco mais de 100 anos, as doenças eram atribuídas a desequilíbrios nos fluidos corporais. Não havia cura para nenhuma doença, havia tratamentos: sangrias, purgantes agressivos. Se há 200 anos você não sabia nada sobre química, biologia ou medicina, não fazia grande diferença na sua vida. Mas hoje faz muitíssima diferença. Acredito que se as pessoas fossem mais bem formadas em química e em biologia estariam menos dispostas a abusar de sua própria fisiologia com drogas, fumo...


Fonte: ElPais
Edição: F.C.

Comentários

Nenhum comentário cadastrado. Seja o primeiro!





Deixe seu comentário

Nome*
Email*
Verificação*
Seu comentário*