(86) 3194-5100

EUA têm sete mortes e 530 casos de doenças relacionadas a cigarros eletrônicos

Números apontam um aumento de 380 casos em relação aos registros da semana passada. Do total de pessoas afetadas, três quartos são homens.

Tamanho da letra:
A
A
Publicado em: 20 de setembro de 2019

Autoridades de saúde dos Estados Unidos disseram nesta quinta-feira (19) que há no momento 530 casos (confirmados e prováveis) e sete mortes causadas por doenças pulmonares graves relacionadas a cigarros eletrônicos e que não há indicativos de que o surto esteja melhorando. Os números apontam um aumento de 380 casos em relação aos registros da semana passada. Do total de pessoas afetadas, três quartos são homens e dois terços tem entre 18 e 34 anos.

A Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora de alimentos e medicamentos dos EUA, investiga mais de 150 produtos e informou que acionou seu setor de investigações criminais para explorar a cadeia de fornecimento de cigarros eletrônicos, além de identificar a causa do surto.

Nenhum usuário será alvo individual de investigação, disse o diretor do Centro de Produtos de Tabaco da FDA, Mitch Zeller. O diretor afirmou que nenhuma substância ou componente específico, como THC ou acetato de vitamina E, foi correlacionada a todos os casos até o momento.

Sete pessoas morreram de doenças relacionadas a cigarros eletrônicos, informou o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC). As mortes ocorreram na Califórnia, em Illinois, em Indiana, no Kansas, em Minnesota e em Oregon. "Nós esperamos outras (mortes)", disse a médica Anne Schuchat, vice-diretora do CDC, a repórteres.

Schuchat aconselhou que as pessoas parem de consumir cigarros eletrônicos se puderem. Quem não o fizer deve monitorar seu organismo com atenção a sintomas como problemas respiratórios, tosse seca e dor no peito, e, em alguns casos, diarreia, vômito e febre, além de buscar ajuda médica.

A vice-diretora também pediu que as pessoas que trocam os cigarros por vaporizadores à base de nicotina não retornem ao antigo hábito, mas busquem tratamentos ou produtos aprovados pela FDA que ajudem a combater o vício.


Fonte: G1
Edição: F.C.

Comentários

Nenhum comentário cadastrado. Seja o primeiro!





Deixe seu comentário

Nome*
Email*
Verificação*
Seu comentário*